Roteiro Artístico do Concelho de Avis

A Ordem Militar de Avis no Concelho: Construir o castelo e o convento, edificar a povoação

D. Afonso II, ao doar as terras à Ordem de S. Bento de Avis terá deixado expressa a vontade de se construir, no cimo do outeiro de Avis, um castelo, bem como a obrigação de edificar a povoação e construir a igreja conventual, onde se estabeleceria a sede da Ordem. De facto, as bravas condições de acessibilidade, fizeram do local uma boa escolha, quer em termos de barreiras naturais, possibilitadas, por exemplo, pela caudalosa ribeira, que forma um fosso natural de proteção e que deixa inacessível quase metade do seu perímetro, quer devido também ao afastamento das grandes vias de comunicação.
O início dos trabalhos de fortificação e edificação ocorreu por volta de 1214, quando estava à frente da Ordem o mestre D. Fernão Eanes. A primeira fase de conclusões das obras terminou por volta do ano de 1223, no tempo do mestrado de D. Fernão Rodrigues Monteiro, sendo outorgado um segundo foral à vila a 20 de Agosto de 1223, por Martim Fernandes. Este foral não teve registo nas Chancelarias, por se tratar de um foral particular e Avis ser terra da Ordem, D. Afonso III ou D. Dinis não terão mandado à confirmação régia e registo o dito foral de 1223, sendo por isso fácil considerar que a povoação já existia, ou pelo menos o seu castelo.

O território concedido à Ordem de Avis, neste primeiro momento, distribuía-se por uma vasta extensão e situava-se na zona compreendida entre o Tejo e o Guadiana, desde a linha que passava por Santarém, Coruche, Abrantes até Elvas. O mestrado chegou a possuir 21 povoações, 49 comendadorias, 71 priorados e a designar os curas de 140 paróquias!

O castelo era construído por uma cerca muralhada, circundada por 6 torres, das quais se destacava a Torre de Menagem.
As Portas existentes eram: Porta d´Évora, Porta de S. Roque, Porta Debaixo e Porta do Postigo. Das seis torres existentes no período Medieval restam apenas três perfeitamente visíveis: a da Rainha ou do Convento, a de S. Roque e a de Santo António e ainda uma outra da qual só resta a base e que se localiza na zona mais a Sudoeste do burgo medieval.

Creditos:
ROTEIRO ARTÍSTICO DO CONCELHO DE AVIS - A ORDEM MILITAR DE AVIS
Edição: Município de Avis; Autor: Marta Alexandre (Município de Avis);

Versus, Lda.
European Routes from Order's Patrimony and Heritage (EUROPH)
Município de Avis